segunda-feira, julho 15
Home>>Palestinos>>Saiba quem são as vítimas do terror em Israel
PalestinosTerrorismo

Saiba quem são as vítimas do terror em Israel

Veja aqui as informações importantes sobre os atentados terroristas em Israel, dados e números que os jornais ocidentais evitam comentar

OS ATENTADOS TERRORISTAS E A RESPOSTA DE ISRAEL

Jornais ocidentais relatam que a “rusga” entre israelenses e palestinos já conta com 7 mortos no lado israelense e 36 no lado palestino. A expressão “reação desproporcional” não foi usada, mas o sentido está lá.

O que os jornais ocidentais não dizem – ou propositadamente têm evitado clarificar – é a identidade dos mortos e as circunstâncias em que as mortes ocorreram. Dizem simplesmente que os israelenses foram mortos “nas proximidades de uma sinagoga” e que os palestinos foram executados em operações militares “na Palestina ocupada”.

O que os jornais não dizem é que de Janeiro a Dezembro de 2022 os palestinos executaram 2.110 ataques terroristas, sendo que o alvo prioritário desses ataques foram cidadãos civis desarmados.

Graças à habilidade das Forças de Defesa de Israel e à pronta intervenção de centenas de civis que possuem autorização para o porte de armas, grande parte desses ataques foram prontamente rechaçados, mesmo assim, 32 judeus perderam a vida e 129 ficaram gravemente feridos. Isso, apenas em 2022, pois ao longo dos últimos anos, 1.412 judeus perderam a vida em ataques terroristas.

Como Israel tem uma tradição histórica de registrar os acontecimentos que envolvem o seu povo de uma maneira extremamente precisa, os nomes das vítimas, as circunstâncias e datas dos atentados que ceifaram suas vidas podem ser lidos no site do Ministério das Relações Exteriores do Governo de Israel.

Em resposta aos atentados dos últimos meses, o Sherut ha-Bitaẖon haKlali, a CIA israelense, investigou e descobriu as lideranças terroristas envolvidas nos ataques, e as Forças de Defesa de Israel empreenderam uma “incursão aos territórios árabes” em busca dos responsáveis por esses ataques. E nesta busca, os agentes da lei foram recebidos à bala, por terroristas fortemente armados, fato que resultou nas 36 mortes relatadas pelos jornais ocidentais.

O que os jornais ocidentais não explicam é a que grupos ou facções pertenciam os tais “palestinos” mortos.

Estes são 36 palestinos mortos no confronto com as Forças de Defesa de Israel. Destes, apenas 3 podem ser considerados “lobos solitários”, terroristas sem ligação com nenhum grupo, e uma criança, vítima de fogo amigo. Quanto aos demais, todos, absolutamente todos, são árabes à serviço do terror.

10 desses mortos eram membros das Brigadas dos Mártires de al Aqsa, um grupo terroristas especializado em formar homens-bomba para ataques terroristas; 5 faziam parte do Al-Fatah, o partido político fundado pelo terrorista Yasser Arafat; 7 pertenciam ao grupo terrorista Hamas, que detém o poder na Faixa de Gaza; 6 eram parte da Jihad Islâmica Palestina, um nome que dispensa comentários, e 1 era membro da Frente Popular para a Libertação da Palestina, um grupo terrorista de espectro leninista-marxista.

Quanto às vítimas do lado israelense, tomemos por base apenas o último atentado, pois é este que a imprensa ocidental tem tomado como parâmetro de comparação com as 36 mortes palestinas.

Entre os 36 palestinos mortos havia apenas 1 mulher, considerada “lobo solitário”, e uma criança, que morreu em decorrência de um rocket mal lançado pelos próprios palestinos, quanto aos demais, eram todos homens, maiores de idade, notórios membros de grupos terroristas.

Já os 7 judeus assassinados eram cidadãos comuns, homens, mulheres e crianças, pessoas simples do bairro onde moravam. Enquanto os 35 palestinos perderam a vida num confronto armado com as forças de segurança de Israel, as 7 vítimas judias foram mortas nas proximidades de uma pequena sinagoga nos arredores de Jerusalém, logo após as orações do Shabbat, o dia sagrado da semana para os judeus.

Irina Korolova, tinha 59 e era uma cidadão ucraniana; Shaul Hai, com 68 anos, é a vítima mais idosa; Asher Natan, a vítima mais jovem, tinha 14 anos e morava perto da sinagoga; Rafael Ben Eliyahu tinha 56 e deixou 4 filhos órfãos; Ilya Sosansky tinha 26 anos, era barman e DJ, e foi morto ao passar defronte a sinagoga; e, por fim, o casal Eli e Natali Mizrahi, ele tinha 48 anos e ela 45. Eli e Natali estavam casados há apenas 2 anos e foram mortos no momento em que socorriam as demais vítimas. Natali trabalhava no Centro Médico Hadassah, de Jerusalém, o maior hospital da cidade, conhecido por receber e tratar tanto judeus quanto palestinos de forma totalmente igualitária, sem nenhum preconceito.

Estas são as informações que a maioria dos jornais ocidentais não relataram, por desconhecimento ou por completa falta de vontade política de os relatar.

ANDS | SITES OFICIAIS

1 Comments

  1. Este é mais um motivo para orarmos pela volta do Messias, para que a paz possa voltar como as águas cobrem o mar. Quero expressar minha dor pelas vítimas judias, que O Eterno vos abençoe.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *